Este reboot inesperado no sistema catapultou-nos para um novo paradigma a vários níveis: económico, social e pessoal. Muitas marcas estão a recriar-se, arranjando estratégias que ajudam não só os seus colaboradores e os seus clientes, mas também os seus parceiros e os demais cidadãos (inclusive fora do seu país). Será o casamento perfeito entre crise e oportunidade?

revolução digital

Os desafios das marcas

Nas últimas semanas, temos assistido à adaptação estoica dos recursos (humanos e tecnológicos) ao contexto de COVID-19. A pandemia obriga à restruturação das equipas, à otimização das tecnologias de comunicação e à recriação de modelos de negócio.

Entretanto, há as crises financeiras e diminuição de rendimentos, que levam empresas a oferecer estratégias de fidelização durante alguns meses (tanto a nível B2B como B2C).

Tudo isto acontece à escala global e a um ritmo alucinante, o que gera uma enorme pressão e todos, sem exceção, somos afetados.

 

Que empresas/ áreas se prevê que se adaptem melhor às circunstâncias

É evidente que quanto mais reconhecimento e presença na praça pública uma marca tiver – nomeadamente através de uma forte componente online – maior a capacidade de resposta e probabilidade de sucesso face às circunstâncias.

Muitas marcas estão conscientes da importância da componente social, pelo que escolhem também consolidar a sua ligação com os seus funcionários e com os parceiros de negócio.

E mais: por despertarem a atenção em época de crise, serão certamente as que ficarão na memória depois de a pandemia passar.

 

O que as marcas podem oferecer, sejam ou não do meio digital

Há sempre formas de manter contacto com os seus clientes, mesmo que seja virtual. Aliás, se há altura propícia ao negócio online é justamente esta. A maioria das pessoas está aborrecida em casa, com os gadgets nas mãos e os olhos no ecrã.

Independentemente de qual for a área de negócio, qualquer marca pode criar oportunidades online:

– Criar um website ou melhorar o que já tem;

– Investir nas redes sociais da sua marca;

– Ativar uma boa campanha de Remarketing;

– Produzir mais e melhores conteúdos de blog para divulgar os seus serviços

 

Oportunidades de negócio

Comece por definir os seus objetivos e depois a estratégia: como é que pode servir o seu cliente à distância? O que é que a sua empresa faz de melhor? O que pode oferecer nesta fase?

Além disto, consoante o cariz de cada marca, poderá pensar em:

  • sessões online (clínicas/ coaching/ terapias holísticas)
  • aulas online (cursos ou oficinas de todo o tipo)
  • consultoria (marketing/ comunicação/ design/ área financeira)
  • criar um canal de conteúdos audiovisuais
  • produzir um podcast (entretenimento/esclarecimento)
  • promover eventos online de entretenimento, esclarecimento, apoio
  • divulgar campanhas de solidariedade social
  • criar ou recriar produtos de higienização
  • propor parcerias com serviços de entregas para quem não conseguir deslocar-se (caso das pastelarias, engomadorias, etc)
  • apresentar novas ofertas que visem a fidelização do cliente (por exemplo um restaurante cujo menu diário custava X pode criar um pacote de refeições semanais por um preço mais económico)

 

Economia local

Rever os nossos hábitos de consumo e repensar a economia regional é uma grande tarefa que esta pandemia nos propõe.

Ao produzir e investir localmente podemos não só elevar a economia da região como tornar o nosso consumo efetivamente mais sustentável, o que representa um impacto positivo na nossa própria comunidade

Quantos de nós já começámos a, literalmente, lançar sementes à terra, a partir das nossas varandas e terraços?

Pensando em mais ideias de negócio locais a incubar:

  • quem gosta de cozinhar pode agora oferecer serviços de catering com entregas a nível local. Há famílias sem tempo para cozinhar que vão agradecer esse serviço.
  • Pode também produzir pão ou granola e criar a sua própria marca a implementar daqui a uns meses?
  • Quantas famílias precisam de acompanhamento escolar? Talvez possa criar uma sala de estudos online para as crianças e jovens da sua comunidade.

O que algumas marcas já estão a fazer

– Grandes redes sociais como o Facebook , o TikTok e o Spotify têm levado a cabo campanhas de entretenimento, de esclarecimento e de solidariedade.

Todas estas campanhas serviram para angariar fundos e apoiar outras instituições.

– A nível de Educação, temos universidades, escolas, fundações, editoras e revistas a disponibilizar o acesso gratuito aos seus conteúdos. Muitas promovem ainda a interação e colaboração entre todos.

– Existem marcas como a Volkswagen, a Audi, a Mercedes, a McDonald’s, a CocaCola ou a Kappa criar campanhas de incentivo ao isolamento social, redesenhando os seus logotipos.

– Marcas ligadas à logística (por exemplo, a FedEx) encarregaram-se de distribuir alimentos, bebidas, equipamentos médicos e outros produtos a quem precisa.

– Há marcas (como a Razer, que produz equipamentos para jogos ou a portuguesa DGA, que produz peças automóveis) que estão a converter linhas de produção das suas fábricas para produzir máscaras ou outros equipamentos hospitalares.

– Existem seguradoras que criaram planos de seguros específicos para profissionais na linha da frente da epidemia.

– A BBC Global News está a oferecer tempo de antena a instituições internacionais de saúde para que possam transmitir mensagens de saúde pública acerca do coronavírus.

– Marcas como a Skechers focaram os seus recursos humanos na angariação de fundos para apoiar os seus colaboradores e parceiros.

 

Conclusão

Entre muitas mudanças (algumas serão irreversíveis) a pandemia tem alterado os nossos padrões de consciência e de consumo, e muitas coisas que julgávamos serem impossíveis, afinal não são.

Que escolhas está a tomar neste momento para o seu negócio e para a sua equipa? Onde vai querer que a sua marca esteja situada na comunidade? Coloque em cima da mesa os vários cenários possíveis para o seu negócio.

Daqui a uns meses, quando houver lugar a retrospetiva, certamente vai desejar ter estado à altura do desafio. E tal pode ser exponenciado através de uma forte presença digital.

 

Da nossa parte, se há algo que temos para oferecer é precisamente um serviço especializado de Marketing e Comunicação orientado para o meio digital. Conte connosco para fazer deste momento de crise a derradeira oportunidade de operar uma mudança.